04 janeiro 2007

Mitos


Escrever sobre Mitos não é uma tarefa fácil...
Como falar de um saci sem cair no lugar comum? Afinal, todo mundo conhece aquele negrinho esperto de uma perna só. Portanto, escolhi outro caminho. Em vez de explicar quem eram os mitos escolhidos para o livro, resolvi contar uma história sobre cada um deles.
Partindo do pressuposto de que todo mundo sabe alguma coisa sobre aquele mito, a história se desenvolve com uma visão bem-humorada do dia-a-dia desse personagem.
Saci, Cuca, Bicho-Papão, Iara e outros personagens do nosso folclore são protagonistas de histórias divertidas, em que são explorados os temas transversais. Natureza, saúde, preconceito, obesidade, educação, meio ambiente... são assuntos abordados pelos personagens, que trazem sempre uma mensagem e uma história engraçada para contar.
Como nem tudo o que a gente escreve cabe no livro... vou contar a seguir uma das histórias que ficou de fora! Essa história é sobre o lobisomem. Vocês vão ler uma outra versão, voltada mais para o público infantil no livro. Essa versão foi a primeira que eu escrevi. Apesar de não ter sido a escolhida para a publicação, tenho um carinho enorme por ela.

O Lobisomem
O menino pálido e magro, de nariz arrebitado e orelhas compridas esmurrava a porta do banheiro. A mãe, gritava que ele era neurótico e ele pensava: “Como não seria?” Qualquer um que tem sete irmãs mais velhas, só pode nascer neurótico, ou lobisomem... Você já tentou usar o banheiro de uma casa onde moram sete irmãs? Esquece... O menino saiu de casa e foi andar pela rua. Era sua primeira noite depois do seu aniversário de treze anos. Ele merecia um pouco mais de respeito, não, afinal já era um homem! Era noite de Lua Cheia. Passando pela primeira encruzilhada, aconteceu a transformação: De repente o corpo se cobriu de pelos, as orelhas cresceram mais ainda, os olhos ficaram vermelhos e ele aproveitou toda raiva que estava sentindo e uivou para a lua! Tinha virado lobisomem... Primeiro ficou apavorado! Já havia ouvido muitas histórias de Lobisomem, mas nunca imaginou que isso pudesse acontecer de verdade. Depois ficou pensando nas orelhas: se ele já achava suas orelhas de abano, agora então...estavam pavorosas. Daí pensou nos pêlos e para que tê-los e então lembrou das irmãs enfiadas no banheiro com toda sorte de produtinhos de beleza. Uma idéia lhe iluminou a mente: tirar proveito dessa transformação, antes que fosse tarde... ou cedo , pois ele só teria até o amanhecer. Depois se transformaria em um irmão neurótico novamente...Voltou para casa, passando por sete igrejas, sete vilas e sete encruzilhadas, como manda a lenda. A mulherada ainda estava no banheiro, como o esperado. A gritaria era de várias gralhas azuis berrando ao mesmo tempo. Ele, com sua voz esmirradinha, nunca havia conseguido falar mais alto, que elas todas juntas. Mas agora era diferente! Foi tão fácil: Chegou perto da janela e deu o uivo mais alto que pode para a lua!!! A mulherada saiu berrando do banheiro e foi um corre-corre geral! Na manhã seguinte não se falava em outra coisa além do aparecimento do lobisomem na cidade, as mulheres apavoradas, estavam todas trancadas, cada uma em seu quarto. Mas pelo menos, o banheiro estava desocupado....

Curiosidades:

A história sobre o Saci eu criei há anos. Ela foi contada muitas vezes em escolas, onde atuo como Contadora de Histórias, e sempre fez muito sucesso com as crianças. Foi ela que me despertou a vontade de escrever um livro sobre Folclore.
As demais histórias do livro foram criadas em uma manhã apenas. Acreditem que eu me diverti muito escrevendo esses textos! Tenho que agradecer a colaboração novamente da Kandy, que ia lendo meus esboços, dando risada comigo e fazendo boas sugestões.
Todas as histórias e dobraduras dos meus livros são "testadas". Antes de serem publicadas, eu faço oficinas com crianças para sentir a reação delas. Devo dizer que nunca nada foi vetado, mas não custa nada perguntar aos meus leitores: "O que você acha?".

Um comentário:

esthér disse...

Parabéns pelo seu belíssimo trabalho...
seria muito bom se mais pessoas,se emportacem com a educação das crianças o nosso mundo seria bem melhor...
bjusss...